quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Memória e temporalidade



No exercício das memórias, revejo tempo e realidades vividas...
Caminho por espaços já caminhados com saudosa melancolia.
Mas não é uma melancolia triste...
É uma felicidade melancólica a trilhar caminhos já trilhados.
Caminhar por indícios de rastros feitos.
Uma placa de formatura...
Um nome na placa... indicação.
Retornos longínquos e mais recentes se confundem e se completam...
Um livro na biblioteca (a biblioteca não está mais no mesmo lugar), reminiscências.
Uma cópia obsoleta, só para compor o processo... paixão desmedida.
Reencontro com pessoas... a bibliotecária (antes), o guardinha (agora) une temporalidades.
A passarela comprida... Caminhei por ela em companhias diversas.
Contemplar o casarão, calçadas, ruas...
Viver momentos no limite das possibilidades.
A memória vai elegendo quadros coloridos e desfilando textos ditos e interditos...
No exercício das memórias, nos encontros com passados passados, passados recentes e passados ainda não idos, vão se compondo as minhas temporalidades.
E o tempo, meu amigo, não me falha a memória.


(28/09/2016)

Ausência e fim...


sábado, 24 de setembro de 2016

Tudo era poesia

Porque me vi nos seus olhos...


Porque me vi nos seus olhos...


Não, não precisa me defender das feras
Não me tire da cova dos leões.
Não suavize os meus caminhos de pedra
Porque às vezes se vê nos meus olhos.


Não é trabalho para você
Planear e peneirar os meus passos
Não é da sua responsabilidade...
É apenas da minha competência
Desde que me vi nos seus olhos.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Vera








VERA, por Murilo Moiana

Vera vem como furacão
E verás como atrai seu turbilhão
Lúcidos a perseguem
Por sua verdade
Pelo positivo das vibrações de Lúcia
Vera e Lúcia...
Vera Lúcia e a hipnose de sua boa astúcia
Murilo Moiana
(Este é um poema)
09/09/2016

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Hai Kai da humildade



Centro das atenções?
ué... como assim?
existe vida além de mim?

As palavras

As palavras

Ai, palavras, ai, palavras/ Que estranha potência a vossa... (Cecília Meireles)

As palavras, às vezes, me irritam. E às vezes me irritam muito. Algumas me irritam mais. Ultimamente eu ando irritada com a palavra prioridades. Avaliar as prioridades.  Estou tão irritada com PRIORIDADES que se você é meu amigo, não me peça para avaliar prioridades. Mesmo porque as SUAS prioridades, com certeza NÃO SÃO AS MINHAS prioridades.

Outra irritante é perdão. Pedir perdão. Se você tem que pedir perdão é porque já fez m*... aí o cristão diz: mas para perdoar você tem que esquecer... e quem diz que a minha memória de elefante deixa esquecer? Mas eu acho que perdoar e esquecer são duas coisas diferentes. Se bem que eu nem penso nesse negócio. Se me afeta muito, não adianta querer perdoar porque a vontade não deixa; se não afeta tanto, ou se apenas irrita, não é questão de perdoar e esquecer. É questão de ignorar. E pra ignorar o que me irrita eu sou boa! E a palavra parceria? Extremamente irritante! Quando a pessoa vem pra você sugerindo PARCERIA, é porque ela quer que você faça alguma coisa que ela não quer fazer e te engana falando em parceria. Parceiro é aquele que se junta ao outro para assumir a responsabilidade. Não se engane, parceria é furada!

Agora tem umas palavras que são legais. Tipo, preguiça. Já me define sem precisar de explicação. Não uso mais porque a vida não dá tempo e fica cobrando ação sem parar, senão... tem horas que tenho preguiça até de gente. De algumas gentes... mas preguiça é bom. Outra boa é stand up. Poderia ser “traduzido” para nós como o cara do repente, do improviso, da rapidez, mas stand up fica melhor! Dá mais movimento. Eu acho. E eu adoro ver aquele povo que vai tirando palavras, frases, gestos, trejeitos da cartola e emendando um assunto no outro pra gente rir. Porque o objetivo é esse, nos fazer rir. Assim do nada. Desabafo. Pensa numa palavra boa! Você tá P* da vida e solta os cachorros, desce do salto, esculacha mesmo. Claro, quem estivar por perto, ou pior, for o alvo, vai se escandalizar. Daí você vira e fala: Credo, gente, foi só um desabafo. Mas a melhor de todas é desculpa. Pode acontecer um desastre, mas daí você vai e pede desculpas. Além disso, desculpa serve de desculpa para tudo.

Mas quero voltar a prioridades. O que é prioridade para você? Falando de tempo e de dinheiro. Duas palavras, aliás, irritantes, porque governam o mundo. Para mim é o que me dá gosto de viver. Eu não quero ser rica, nem mais bonita do que já sou (risos), nem ter mais tempo do que já tenho, mas gostaria de poder APENAS resolver as minhas prioridades. Porque  daí  eu poderia eliminar esta palavra (irritante) do meu vocabulário. Então poderia fazer as coisas com tempo, com folga, com prazer e sem me preocupar em DEFINIR PRIORIDADES... eu só iria fazendo o que quero e vivendo. Fácil. Ah, fácil também me irrita! Porque não existe nada fácil. Aliás, se for fácil, não é bom. Mas há quem insista em dizer que TUDO É FÁCIL! E, além disso, esta palavra é traiçoeira e machista, porque se você disser que um homem é de vida fácil, é porque ele é malandro, folgado, vida boa, mas para uma mulher, ser uma  mulher de vida fácil já é o drama, porque você também sabe que não há facilidade nem glória nisso. Mas eu insisto... pior que prioridade é só o tal de politicamente correto. Porque o politicamente correto pode até ser correto, mas é sempre chato! E, eu só acho, que em vez de combater, acaba enfatizando o “errado”!

E assim caminha a humanidade, como diria Lulu Santos. Por meio das palavras, com as palavras e pelas palavras. Assim também eu, com as palavras, vou aí avaliando as minhas prioridades para não tropeçar nas dificuldades. E ir levando a vida prioritariamente.

Vera Lúcia

(06/09/2016)

sábado, 3 de setembro de 2016

Hai Kai de uma história de amor






Eu nunca disse que seria paz;
Mas eu prometo
Motivos pra sorrir!

Amar

Amar Que pode uma criatura senão, entre criaturas, amar? amar e esquecer, amar e malamar, amar, desamar, amar? sempre, e até de olhos vidrados, amar? Que pode, pergunto, o ser amoroso, sozinho, em rotação universal, senão rodar também, e amar? amar o que o mar traz à praia, e o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha, é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia? Amar solenemente as palmas do deserto, o que é entrega ou adoração expectante, e amar o inóspito, o áspero, um vaso sem flor, um chão de ferro, e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave de rapina. Este o nosso destino: amor sem conta, distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas, doação ilimitada a uma completa ingratidão, e na concha vazia do amor a procura medrosa, paciente, de mais e mais amor. Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita. Carlos Drummond de Andrade