quinta-feira, 28 de julho de 2016

Sonhos...

Sonhos

Chefe Branco


Você está em todos os meus sonhos bonitos,
Juntos, somos sempre um.
Você é  a lua e estrelas no meu céu,
É a  luz do meu sol matinal.

Você é  o meu primeiro pensamento da manhã,
Você é o meu último pensamento a  cada noi
te. 
Sonho com você toda noite;
Tenho  conforto, até à luz do dia.

Você me trouxe um mundo de amor,
Que preenche todas as emoções dentro de mim.
Um mundo que sempre soube que poderia existir,
Mas  eu nunca pensei que  iria ver.

Um belo mundo, que só pode ser visto,
Através de dois  corações como um.
Com todas as cores do amor,
Pintando a cada dia esse amor..

Um retrato de amor, capturado pelo meu coração,
Reflete  profundamente em minha alma.
Abraçando-me dentro de meus belos sonhos,
Preciso deste amor que me completa..

(20/04/2008)


Passados amantes...

PASSADOS AMANTES
Não se afobe, não
Que nada é pra já
Do amor, seus vestígios
Em uma estranha civilização
Indícios de uma história
Como que se da carne, do sangue, do suor
Restassem os ossos do passado no fóssil que ecoa
Até que um dia
Arqueólogos pós-modernos, afoitos
Queiram decifrar dos ossos
A carne de antigas palavras
E anunciar aos quatro cantos
Do velho ao novo mundo
Que um dia existiu o amor
E quem sabe, então
A contemporaneidade, na sua suprema razão
Consiga conceber tal absurdo:
Dois homo sapiens
Um macho e uma fêmea?
Dois homo?
Se amando na eternidade
Amores serão sempre amáveis
Não se afobe, não
Da história vivida não se sabe
Só a certeza de que um dia
Dois homo sapiens se amaram até morrer
E que a morte foi só um detalhe
(Cláudio Pires Viana)
Obs. Contém versos de "Futuros Amantes", de Chico Buarque.
http://sinnerscrazy.blogspot.com.br/…/fosseis-encontrado-ab…
Amei

terça-feira, 12 de julho de 2016

Este Inferno de Amar

Este Inferno de Amar


Este inferno de amar - como eu amo! - 
Quem mo pôs aqui n'alma... quem foi? 
Esta chama que alenta e consome, 
Que é a vida - e que a vida destrói - 
Como é que se veio a atear, 
Quando - ai quando se há-de ela apagar? 

Eu não sei, não me lembra: o passado, 
A outra vida que dantes vivi 
Era um sonho talvez... - foi um sonho - 
Em que paz tão serena a dormi! 
Oh! que doce era aquele sonhar... 
Quem me veio, ai de mim! despertar? 

Só me lembra que um dia formoso 
Eu passei... dava o sol tanta luz! 
E os meus olhos, que vagos giravam, 
Em seus olhos ardentes os pus. 
Que fez ela? eu que fiz? - Não no sei; 
Mas nessa hora a viver comecei... 

Almeida Garrett, in 'Folhas Caídas'

Mecanicamente

Mecanicamente

Autômato das horas...
Robô das tarefas rotineiras...
Fantasma de noites insones...
Mecanicamente desfia os minutos do dia-a-dia.

Desgraçadamente
Não fazemos escolhas.
Somos marcados
Pelo lacre do destino.

Somos apontados
pelo dedo invisível
da fatalidade
a sermos marionetes do tempo
nas mãos do imprevisível.

Não ver
Não ouvir
Não pensar
Não sentir
Não é a solução.

O tempo se encarrega
de conduzir...
E a paixão...
É o inferno particular.

Renegar? Revogar?
Ignorar? Retroceder?
Cinzas de quimeras.
O que vem escrito é para ser cumprido.
Se não pela vontade,
Pela força das leis naturais.

Fora disso,
Teimar,
Desobedecer,
Transgredir,
Lutar e...
Se adequar
Mecanicamente.

( Vera  Lúcia – 12/07/2016)